Jornal do Estado: Eliana garante: “Meu programa muda a cada domingo”

26 fevereiro

Sem qualquer modéstia, a loira diz que seu show é “diferente de todos os programas de domingo”, apesar das semelhanças com o “Tudo é Possível”, atração da Record herdada por Ana Hickmann.

Eliana deixou a Record há três meses e trouxe seu público cativo para o programa que leva seu nome no SBT. Desde a estreia, no dia 30 de agosto, a apresentadora de 36 anos conquistou o segundo lugar na audiência todos os domingos, com a média de 10 pontos no Ibope, contra 17 da Globo e 8 da Record. Sem qualquer modéstia, a loira diz que seu show é “diferente de todos os programas de domingo”, apesar das semelhanças com o “Tudo é Possível”, atração da Record herdada por Ana Hickmann. Em entrevista à reportagem, Eliana falou de televisão, da relação com o público infantil e de seu novo empreendimento, a editora Master Books.

Agência Estado — Há três meses no SBT, você se consolidou na vice-liderança. Sua meta agora é passar o “Domingão do Faustão” na guerra pela audiência aos domingos?

ELIANA - Modéstia à parte, isso já aconteceu. Em três meses, isso ocorreu algumas vezes. Mas depois de alguns anos você não fica embriagada pelo sucesso e essas coisas. Você se envolve, se emociona e não deixa que isso lhe tire o foco e os pés do chão. Televisão é isso. Meu programa sempre muda a cada domingo. Temos mais de 20 quadros hoje no ar. Temos um programa diferente.

Agência Estado — Diferente até do “Tudo é Possível”, seu ex-programa na Record?

ELIANA - De todos os dominicais. A ideia é ser uma produção eclética e que a cada domingo traga um assunto para o público e informação. As matérias são para a família.

Agência Estado — Há anos quem fala com a família são Faustão e Silvio Santos. Acha que se “infiltrou” nesse nicho?

ELIANA - Acho que sim. Até pela credibilidade do tempo que trabalhei com os filhos dessas mães. Sempre tive muito cuidado com eles e acho que no momento que vim com um programa para a família, elas quiseram ouvir o que a Eliana de suas crianças estava trazendo. E deu certo. O público cresceu com o meu trabalho.

Agência Estado — Mas ainda tem quadros voltados para crianças.

ELIANA - As crianças continuam assistindo. Eu gosto de trabalhar para elas. Ainda tenho vínculo com elas em produtos de licenciamento e a música. Eu já tenho há sete anos um trio em Salvador no qual canto todos os meus sucessos para as crianças. Mas hoje mudou o foco do programa e da vida. Não tem sensacionalismo ou apelo mais forte, no sentido de que a família não possa assistir unida.

Agência Estado — Você diz que prefere sair da TV a apelar. O que seria apelar?

ELIANA - Se eu tiver que apelar e tiver que ferir os meus princípios eu prefiro sair. Para mim, o bom programa é aquele que sabe entreter, traz cultura, informação e humor. Não precisa sair disso. É possível ter um programa popular, mas que traga conteúdo de qualidade.

Agência Estado — Que tipo de apelação vê nas outras emissoras?

ELIANA - Prefiro não julgar o trabalho dos profissionais. Acredito que cada um faz aquilo que acha melhor e que é melhor para si.

Agência Estado — Então você não viu o “Tudo é Possível” com a Ana Hickmann?

ELIANA - Eu vi uma vez e, sinceramente, não vi mais. Descobri que sou um pouco supersticiosa e digo que todas as televisões lá em casa precisam estar no meu programa.

Agência Estado — Acha que é copiada na TV?

ELIANA - Alguns quadros podem até parecer. Mas é o tipo de coisa que, se ocorre, o público identifica. O telespectador pode não entender a parte técnica, mas percebe essas coisas. Mas isso não me preocupa. A Leonor (Correa, diretora da atração) é uma excelente diretora e criativa. Quando nos copiam, a gente tira do ar e parte para outra. Temos uma lista de quadros que criamos em pós-produção. O Meu Primeiro Carro é um deles.

Agência Estado — O que não é exatamente uma inovação. Há muitos quadros de transformação de carros na TV.

ELIANA - Mas o nosso não é um quadro de transformação de carros Três adolescentes disputam o primeiro carro. Para levar o prêmio, passam por provas de desafio corporal e também assistência social.

Agência Estado — Você acompanha a disputa pela audiência de perto?

ELIANA - Fiz psicologia até o terceiro ano. A audiência é um reforço positivo muito bacana não só para mim, como para a equipe também. É bom ver que eu sou ouvida.

Agência Estado — Por que achou que era a hora de trocar a Record pelo SBT?

ELIANA - Sem dúvida foi pelo convite do Silvio. Talvez eu sempre esperasse esse convite. Acho que nunca disse isso. Mas quando o telefone tocou e notei que do outro lado da linha era o Silvio Santos foi uma emoção muito grande como profissional. Voltei valorizada.

Agência Estado — Valorizada e com o direito de escolher o merchandising que entra na atração?

ELIANA - Eu tenho liberdade de criação e editorial do programa. Na Record tinha em termos. Hoje, no SBT, tenho muito mais. Tudo o que leva o meu nome eu quero saber a fundo de onde vem. Não experimento um alimento no ar. Eu sempre digo (ao cliente): “Posso falar do seu produto, mas não me faça fazer uma criança salivar sendo que não vai poder comer isso”. Já perdi clientes que queriam que eu degustasse o produto.

Agência Estado — O Silvio interfere no conteúdo?

ELIANA - Não. Ele também nunca deu nenhuma ideia, mas se der será muito bem vindo. Ele é o mestre, ele é o homem do auditório O Silvio foi a pessoa que descobriu o meu potencial. A projeção veio através do meu trabalho. A transição (de programa infantil para atrações adultas) foi muito importante, e fiz isso na Record. Mas são fases da minha vida. Momentos bons e ruins.

Agência Estado — Os ruins foram as críticas que recebeu quando deixou de trabalhar com crianças, em 2005. Ficou assustada na época?

ELIANA - Eu me pelei de medo. Eu intensifiquei as terapias que faço há 11 anos. Mas eu percebi que já tinha completado a minha missão de falar com o público infantil e que necessitava de mais Mas estava fora (da televisão) me preparando. Eu precisei desse respiro, assim como todo mundo precisa para mudar de etapa. Mas o programa foi sucesso nos primeiros meses.

Agência Estado — Então, respondeu aos críticos.

ELIANA - Nesses oito meses (de afastamento) eu ouvi de tudo. Muitas notas (na imprensa dizendo) que eu não voltaria, que não tinha projeto. Eu me calava porque só estava trabalhando. Diariamente, ia para a Record. O nome do programa quem escolheu fui eu. A Record não tinha nenhum programa de shows aos domingos.

Agência Estado — De lá, você trouxe para o SBT a diretora Leonor Correa, irmã do Faustão. É um trunfo ter a irmã do concorrente ao seu lado?

ELIANA - Não (risos). Eu acho que nesse ponto eles sabem dividir bem. Não existe nenhum problema familiar entre eles por isso. Nem quando a gente em algum momento fica em primeiro lugar há rivalidade. O que há é uma competitividade profissional, mas não pessoal. O Fausto é uma pessoa muito generosa, ele já me convidou algumas vezes para ir na casa dele, na famosa pizza que faz. O Gugu Liberato também é uma pessoa que eu adoro. O Silvio Santos então...

Agência Estado —Seus concorrentes entram ao vivo no ar, mas você faz programas gravados. Por quê?

ELIANA - Eu adoro programa ao vivo. Na época do infantil fiz muito. No ao vivo tem como improvisar. Me deu uma excelente experiência como profissional. Não tem cortes nem edição naquele momento. Acontecem coisas erradas, mas isso que dá a magia e deixa verdadeiro o apresentador. Eu já até espirrei no ar, tomei fora de criança que falou uma piada que jamais poderia falar na televisão. Mas o gravado tem uma coisa que o ao vivo não tem. Pode ser bem produzido com uma lapidação incrível.

Agência Estado — Está lançando a editora Master Books para alcançar um tipo de público diferente da TV?

ELIANA - É um projeto cultural. Eu acho que o programa de TV é um projeto cultural também. Mas a ideia é fazer algo que não precise da minha imagem. Quero colaborar com artistas competentes que não tenham possibilidade de perpetuar a obra deles.

Agência Estado — Você diz que não gostaria de aparecer, mas no primeiro lançamento - o livro ‘Eu queria Ser’, da fotógrafa Priscila Prade, - está em uma das fotos, caracterizada como o roqueiro Marilyn Manson.

ELIANA - As pessoas nem sonham que sou eu (risos). Eu já estava trabalhando num projeto de street art, que requer pesquisa, e nessa fase fui contratada pelo SBT. Quando a Priscila soube que eu estava abrindo uma editora, me procurou. Lembrei-me de todo o trabalho que fizemos e aceitei.

Agência Estado — Com a editora, você desistiu das produções para o cinema?

ELIANA - Não, mas é um processo muito trabalhoso. Eu também não sou atriz. Eu não entro na sala de aula para tirar nota 5, gosto de tirar 10. Gosto de estudar bastante e me aprimorar. É obrigação, se eu sou apresentadora e comunicadora.

Agência Estado — Como apresentadora, também precisa cuidar da aparência. O que mudou com a TV digital?

ELIANA - Acho que foi mais a questão da maquiagem, que precisa ser de alta definição. Se falou muito em televisão de alta definição, mas isso ainda não é uma verdade no nosso País. As pessoas ainda não têm o aparelho em casa. Algumas emissoras ainda não têm o equipamento completo.

Agência Estado — Mas você cuida da imagem. Já fez cirurgia plástica?

ELIANA - Eu fiz há muitos anos no meu nariz. Mas se precisar mais para frente, sem problemas.

VOCÊ TAMBÉM DEVE GOSTAR

0 comentários

E aí, curtiu?
Conte-nos o que achou dessa postagem. Seus comentários, opiniões e sugestões são importantes.

#TWITTER.COM/365DIASCOMELIANA

#FACEBOOK.COM/365DIASCOMELIANA

#FLICKR.COM/365DIASCOMELIANA